O ARTISTA

Roberto Rossi, um artista de cores intensas e brasileiras que você vê por todo o mundo…

Roberto Rossi nasceu na cidade de São Paulo.
Artista autodidata, conta com exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior, onde tem muitas de suas obras em acervos particulares.
No Brasil manteve sua exposição permanente individual, desde 2015, no Eurocentro, na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, além de participar de eventos tradicionais da arte.
Desde 2001 conta com uma nova representante para Washington, DC, Virginia, Maryland, New York, e Connecticut, onde, desde 2006, participa de exposição coletiva permanente no Inn Winvian, local espetacular, que pode ser conhecido no site www.winvian.com.
O artista ainda participou do projeto internacional CowParade, em São Paulo, onde vê sua obra ser premiada como uma das três mais simpáticas escolhida pelo voto popular, e que obteve um dos maiores lances entre as quase 100 obras leiloadas para filantropia.
Em 2017 já é pré-selecionado para o evento Elephant Parade, e o valor do leilão doado a uma instituição de benemerência brasileira, e parte será utilizada para ajudar a salvar elefantes na África (site do evento: www.elephantparade.com.br).
A força de sua obra está na criatividade, técnica, leveza e escolha de seus elementos, sempre brasileiros, que valorizam a luz e a cor dos trópicos.
Em 1976, o artista inicia alguns projetos pessoais, enquanto estudava educação artística na FIAM, e passa a olhar com maior atenção este importante momento, desenvolvendo estudos, pinturas, colagens e desenhos em técnicas diversas.
Pouco a pouco a pintura de Roberto Rossi tomou seu espaço. E em 1988 deixa a agência de propaganda MPM, onde trabalhava desde 1976, e cria seu próprio escritório de comunicação e design.
Ao mesmo tempo que desenvolvia os trabalhos em seu escritório, dedica-se à pintura, caracterizada por uma visão muito pessoal dos elementos que compunham suas obras, que já levavam a força. a cor e as energia facilmente identificáveis em suas pinturas.
A partir de sua primeira exposição, uma individual marcada por exigência de amigos, rapidamente vem a segunda, e imediatamente é convidado a apresentar sua obra em uma individual nos Estados Unidos, em Washington, DC. Dessa data em diante o artista conta com uma agente até esta data.
A característica de seu trabalho é a utilização da tinta acrílica e da técnica mista em suas pinturas, sempre com a predominância dos grandes formatos, que prefere. Porém suas telas de formatos médios, a força e determinação das grandes obras também está presente.
Hoje Roberto Rossi desenvolve gravuras, que acompanham a linguagem utilizada na sua pintura, com temas e elementos coloridos, resultando num trabalho rico e detalhado.
Outras peças criadas pelo artista passam não só pela gravura como obras de art in box, e troféus, que são utilizados na premiação de alguns eventos.
Roberto Rossi participa constantemente de eventos focados em Responsabilidade Social, no Brasil e no exterior.
Alguns desses eventos são: exposição “Artistas pela Ética e Cidadania”, organizada pela ONG Ação Ética e Cidadania em benefício do projeto “Escola Já”, o Projeto “My Sister’s Place”, em Washington, DC (USA), que angaria fundos para atender mulheres e crianças vítimas de violência. Trouxe para dentro de sua exposição no Clube Paineiras do Morumbi uma apresentação dos trabalhos dos destacados artistas estudantes da APAE de São Paulo, alunos da professora Jô Mognon.
Participou, durante a sua duração, do evento “Criando uma Páscoa mais feliz”, apoiado pelo shopping Frei Caneca, cuja verba é toda voltada à ajuda da AHPAS, associação que trata do transporte de crianças carentes em tratamento contra o câncer.
Na Exposição Gravatas, que teve como patrono o Hotel Trypp Higienópolis, e a renda total também revertida para instituição de apoio ao tratamento do câncer infantil, além do próprio evento do CowParade que destinou a verba do leilão para a ABRINQ.
O mesmo acontecerá com a Elephant Parade, como ja dissemos. E muitas outras doações feitas a diversas outras entidades voltadas verdadeiramente ao atendimento de pessoas carentes e à benemerência, como o Instituto Dorina Nowill.

Roberto Rossi configura-se como um profissional que, em seus eventos, é representante digno das artes e cores brasileiras, pela vibração, luz, espontaneidade e calor, onde o próprio tema se impõe como referência de um Brasil que se abre ao mundo para apresentar sua riqueza criativa.

Uma característica marcante de seu trabalho é a utilização do acrílico como técnica. Outras vezes o espectador vai encontrar a técnica mista, sempre com a predominância do acrílico sobre tela e a técnica mista.

Apaixonado pela tecnologia, inevitável, e exigência do mundo atual, desenvolve linguagens e técnicas que expandem seu trabalho além da pintura.

O trabalho desenvolve-se com agilidade e rapidez. E, apesar de preferir trabalhar em grandes formatos, sua produção em telas pequenas apresenta a mesma força e determinação das obras grandes.

As gravuras do artista criaram uma nova visão para aqueles que admiram obras em papel. Elas acompanham a linguagem utilizada na sua pintura sobre tela com temas brasileiros. Um trabalho rico, detalhado, que faz de cada gravura uma peça realmente diferenciada pela exigência do artista de tirar de uma técnica como a da Collagraph resultados tão ricos como os que tem desenvolvido nos seus temas, que tanto encantam os admiradores das suas obras: brasileiros e norte-americanos compõem seu público mais entusiasmado, por conhecerem melhor sua obra, que já se encontra em vários países no mundo, e por todo o Brasil.

O artista tem convites para exposições internacionais, entre elas: Córsega, Barcelona, Estados Unidos e França e planeja realizá-las todas ao seu tempo.
Conheça agora as obras do artista!
A internet hoje aproxima o artista daqueles que desejam conhecer ou adquirir seu trabalhos: pinturas, esculturas, gravuras, monotipias, giclées, e peças utilitárias que estão sendo desenvolvidas e vão compondo em épocas diferentes o variado trabalho do artista para atender todos os públicos.

É assim que consegue uma proximidade ainda maior entre o seu trabalho e a mais importante das opiniões: a do grande público.

Por ser um veículo extremamente ágil, democrático e acessível, permite às pessoas, de qualquer local, conhecer sua pintura, que pode ser vista em sua LOJA VIRTUAL, oferecendo muita facilidade de compra, com parcelamentos, e tantas outras facilidades e novidades sempre.

OBRAS DO ARTISTA

BRASIL – São Paulo – Rio de Janeiro – Rio Grande do Sul – Paraná – Santa Catarina – Ceará

ITÁLIA – Como

NORUEGA – Oslo

ESTADOS UNIDOS – Washington, DC – Embaixada do Brasil em Washington, DC

DINAMARCA – Kopenhagen

CANADÁ

INGLATERRA


PORTFOLIO

INDIVIDUAIS
2010 – Galeria A Hebraica – Clube Hebraica – SP – SP
2008 – Galeria A Hebraica – Clube Hebraica – SP – SP
– 2010 …- Exposição Permanente de obras do artista, iniciada em 2002, no Eurocentro, Al. Gabriel Monteiro da Silva, São Paulo, SP.
– 2005 – Livraria Cultura – Loja das Artes – Conjunto Nacional – São Paulo – SP.
– 2004 – Metrô de São Paulo – Estação Ana Rosa, abril, 14 obras de grandes e médias dimensões.
– 2003 – Metrô de São Paulo – Estação Ana Rosa, novembro, 10 obras de grandes dimensões.
– 2003 – Exposição Clube Paineiras do Morumby, maio, 53 obras, São Paulo, SP.
– 2002 – Exposição no Espaço Cultural da Rotunda – Birmann 11 e 12 – Richard Ellis Management Services – 26 de agosto a 6 de setembro – São Paulo – SP, 15 obras.
– 2002 – Exposição na Marina Porto Bracuhy – Espaço Cultural do Hotel do Engenho – 2 a 17 de fevereiro – Angra dos Reis – RJ, 18 obras.
– 2000 – A Gallery – Washington, DC, EUA, de 01 a 30 de setembro, 36 obras, e 1 ano representado.
– 1999 – Ça-va (01 a 30 de dezembro) – São Paulo – SP, 20 obras. – 1997 – Clube Alto dos Pinheiros – São Paulo – SP, 20 obras.
1997 – Exposição no Clube Alto dos Pinheiros – SP – SP

COLETIVAS
– 2005 – Cow Parade São Paulo – Evento Internacional também realizado emm São Paulo, como divulgado amplamente pela mídia.
– 2004 – 35º Art Show – Escola Imaculada Conceição – Chapel School – Escola Americana, tradicional exposição na cidade de São Paulo, SP.
– 2003 – UNIFIEO – Núcleo Universitário – Fundação Instituto de Ensino para Osasco – Osasco, SP.
– 2003 – 34º Art Show – Escola Imaculada Conceição – Chapel School – Escola Americana – São Paulo, SP.
– 2002 – 33º Art Show – Escola Imaculada Conceição – Chapel School – Escola Americana – São Paulo, SP.
– 2002 – Pequenos formatos, 10 obras em formato 20 x 30 cm – e a participação de 19 artistas independentes, local especialmente produzido para a exposição, São Paulo – SP.
– 2002 – 33º Art Show – Escola Imaculada Conceição – Chapel School – Escola Americana, tradicional exposição na cidade de São Paulo, SP.
– 2001 – UNIFIEO – Núcleo Universitário – Fundação Instituto de Ensino para Osasco.
– 1999 – Centro de Cultura Árabe-Sírio – São Paulo – SP.
– 1998 – UNIFIEO – Núcleo Universitário – Fundação Instituto de Ensino para Osasco – Osasco, SP.
– 1998 – Paluarte Escritório de Arte, exposição em que é agraciado com uma medalha pela obra Janela Negra com Vaso Verde – São Paulo – SP.
– 1997 – Mostra Moinho Santo Antonio – São Paulo – SP.

FILANTROPIA
Todos os anos o artista participa de eventos filantrópicos e culturais, seja em exposições ou com doação de obras para esse fim, no Brasil e no exterior, apoiando instituições ou grupos de renomada reputação e verdadeiramente voltados às atividades de promoção social para pessoas necessitadas.
Exemplos disso são as participações do artista nas exposições “Artistas pela Ética e Cidadania”, organizadas pela ONG Ação Ética e Cidadania, em benefício do Projeto “Escola Já”, visando levantar fundos para educar e retirar crianças da rua – São Paulo, SP.
Do Programa Norte-americano “My Sister’s Place”, de Washington, DC, que protege mulheres e crianças vítimas de violência.
Doação de pintura para Evento para obras de Assistência de D. Filhinha, em São Paulo, SP.
Doaçao de obras para a Feira de Arte do Grupo Kardecista Batuíra, São Paulo, Capital,
Doação de obra para a Fundação Dorina Nowill para Cegos.
Desde 2007 , por alguns anos participou com a pintura de um dos ovos no Projeto da AHPAS – Associação Helena Piccardi de Andrade e Silva, entidade sem fins lucrativos que se dedica ao transporte de crianças e adolescentes em tratamento contra o câncer (www.aphas.org.br).

OUTROS
Roberto Rossi participa de diversos eventos ligados a atividades culturais, como:
– expositor convidado pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – Tema: Direito Autoral do Artista Plástico, São Paulo, 21 de setembro/2005.
– catalogado no Julio Louzada Artes Plásticas Brasil.
– debatedor convidado para o Congresso Mundial de Gestão Coletiva de Direito do Autor
– 1º Congresso Mundial de Gestão Coletiva de Direito Autoral, São Paulo, 13 a 15 de setembro/2004.
– jurado no concurso interno de textos sobre o Carnaval de 2004 e também no de fotografias que compuseram o calendário 2004 da Orbitall.
– debatedor convidado para o 1º Congresso Internacional sobre Direitos de Propriedade Intelectual e a Gestão Coletiva dos Criadores Visuais, realizado em São Paulo, em 22 e 23 de outubro/2003.
– jurado no Clube Paineiras do Morumby para seleção dos melhores trabalhos que concorreram em 2004 em grande evento interclubes de São Paulo.
– entrevista para a Net TV, matéria feita em Angra dos Reis durante sua exposição em Porto Bracuhy, no centro Cultural do Hotel do Engenho, março, 2003.
– participação no programa Via Satélite da Rede Mulher de Televisão, 2002.
– referido em cinco citações no livro “Acervo FIEO” – Fundação Instituto de Ensino para Osasco – Osasco, SP, um dos mais respeitáveis acervos de obras-de-arte em uma Universidade em São Paulo.

SOBRE O TRABALHO DO ARTISTA

Clic. Converti todas as telas em flores plenas. Que silhuetas elegantes pintava
em seus cavaletes?

Pus-me imediatamente à timidez vendo flores como quem pudesse corrigir a timidez das flores, e como quem pudesse mesmo pintá-las em seu silêncio.

Seria o embrião do simbolismo?
É Roberto Rossi!

Usa verdes perigosos, perto mesmo do perigo silencioso. Silêncio de Hölderlin, e um silêncio quase minimalista de Fang poeticamente azul.

Quantos pares de olhos estão à vista de Roberto Rossi para ler-lhe as linhas expressionistas de sua arte?

Ler as canções de mapas quase dicromáticos indicando que sua intuição pictórica é gratificante, mesmo quando vela seus amarelos em detrimento do desenho!

Ler sua escrita moderna através do quase-abstrato também é ver sua tendência em incriminar-se por estados que Apollinaire chamaria de floridiscência.

Roberto Rossi é um pintor que pinta flores dificilmente silenciosas, que gritam alto pelo sucesso que as espera em nossas retinas!

É preciso ler flores …

Zé Augustho Marques
Crítico de Arte, Poeta e Escritor

Roberto Rossi é um dos artistas que tem o raro privilégio de pintar como quer.

Não pesa sobre ele a influência de um professor nem uma escola: é autodidata.

Nada influi sobre ele quando toma os pincéis pelo puro prazer de pintar, à exceção de seu profundo amor por seu país natal: o Brasil e sua belíssima natureza.

Esta alegria vital de “pintar por pintar” se percebe em toda a obra deste pintor brasileiro. Suas flores, frutas, personagens humanos têm o encanto do espontâneo, felicidade, da profunda beleza espiritual e humana do artista, coincidindo com o colorido dos românticos pintores impressionistas que buscavam uma nova maneira de encontrar a realidade.

Roberto Rossi a encontra de uma maneira singular, plástica. A sinceridade é o mérito desta pintura. Reflexo de uma alma sincera, prodígio de uma inspiração criadora, dona da cor e da sugestão, cada quadro é todo um universo de singular beleza natural. A cor te eleva a um sonho brasileiro.

Não é coincidência que Roberto Rossi venha a expor nesta galeria, situada ao lado do Phillips Collection (primeiro museu de arte moderna dos Estados Unidos), onde se mantém uma aura de inspiração pelo poético da arte impressionista, romântica e moderna. E onde viveu Renoir, assim como outros pintores contemporâneos franceses do princípio do século, durante sua estada em Washington.

A galeria, localizada também no cruzamento de embaixadas internacionais, representando as nações do mundo, ao lado do Dupont Circle, conhecido como o Centro de Manifestações para mudanças sociais mais radicais deste século. Assim como de Adams Morgan, o bairro multicultural e reflexo da sociedade global em que vivemos.

É sem dúvida um privilégio, ter um artista tão simpático e representativo em nossa cidade de Washington.

Maria Andrews – Manager